Life Style/Estilo de Vida Morar Fora/Life Abroad

3 Years In Canada / 3 Anos No Canadá

Em pouco mais de um mês eu completo 3 anos de Canadá e me pergunto onde foi o tempo? Ainda ontem estava fechando caixas, encerrando contratos e despedindo-me da vida na Suíça, com o coração na mão e muita esperança. Quando cheguei em Montreal no final de 2017, fazia uma sensação de -40c e tinha mais de 20 centímetros de neve na rua. Eu pensava que sabia o que era inverno depois de morar 7 anos na Europa, mas só depois de morar em Montreal que eu realmente descobri O INVERNO. 

Nesses 3 anos, muita coisa mudou e nada ao mesmo tempo. Esse ano nem sei o que dizer, todos os planos ficaram pausados e novos tiveram que ser feito rapidamente, como um plano de fuga, sendo que não podemos ir a lugar nenhum. 

Em 3 anos, eu me apaixonei por Montreal, mas ainda estou me adaptando a vida no Canadá e ao estilo norte-americano que vivemos aqui. De uma certa forma, acho aqui mais parecido com o Brasil do que com a Europa, e tenho em mim que é isso, somos todos americanos e esse adjetivo não é apenas propriedade de quem vem do norte do continente. Como americanos, compartilhamos alguns comportamentos, algumas historias, alguns contextos de colônia, alguns jeitinhos. Claro que aqui é diferente, mas tem algo de familiar que era mais distante na Europa. 

Após 3 anos, eu entendi, que ao menos na minha vivência, a Europa está mais no futuro do que a América do Norte no quesito trabalho por exemplo. Os trabalhadores na Europa têm mais férias, mais direitos, mais segurança e acima de tudo a mentalidade que trabalhamos para viver e não vivemos para trabalhar. 

Muita coisa aqui lembra os filmes que crescemos assistindo, mas depois que crescemos a gente entende que as realidades de filme não são realmente o que precisamos,  e é isso que eu sinto aqui. Entretanto, como disse no meu texto de um ano no Canadá, ainda acredito que Montreal é uma cidade incrível e única, que me permitiu uma reconexão comigo mesmo e com meu eu queer. Não me arrependendo de ter vindo para o Canadá, e sinto que tem algo a ser vivido aqui ainda, mas também sinto uma saudade imensa da Europa. Essa é uma faceta da vida de imigrante, de repente não somos mais de parte nenhuma, enrolamos todas as línguas sem sentir dominar nenhuma, sentimos saudade de diversas coisas e todo dia é um desafio, mas aqui estamos e no final das contas, não mudaria nada. 

In just over a month, I’ll complete 3 years in Canada and I wonder where did the time go? Just yesterday I was filling boxes, ending contracts, and saying goodbye to life in Switzerland, with my heart on a sleeve and a lot of hope. When I arrived in Montreal at the end of 2017 it was -40c and there was more than 20cm of snow on the street. I thought I knew what winter was after living in Europe for over 7 years, but it was only after living in Montreal that I truly discovered THE winter.

In these 3 years, a lot has changed and nothing at the same time. This year, I don’t even know what to say! All plans were paused or canceled, and new ones had to be created quickly, like an escape plan, whilst we literally can’t escape anywhere.

In 3 years, I fell in love with Montreal, but I am still adapting to life in Canada and the North American style that we have here. In a way, I think here it is more like Brazil than Europe, and I think that’s because we are all Americans after all and this adjective is not just the property of those who come from the north of the continent. As Americans, we share some behaviors, some stories, some colonial contexts, some ways. Of course, it’s different from Brazil, but there is something familiar I didn’t have in Europe.

After 3 years, I understood that at least in my experience, Europe is more in the future than North America in terms of work, for example. Workers in Europe have more holidays, more rights, more security, and above all, the mentality that we work to live and not the opposite.

A lot of things here resemble the films we grew up watching, but after we grew up we understand that the realities of films are not ideal and that’s what I feel here. However, as I said in my one-year text in Canada article, I still believe that Montreal is an incredible and unique city, which has allowed me to reconnect with myself and my queer self. I don’t regret coming to Canada, and I still think there’s a lot to live here, but I also miss Europe immensely. This is a facet of the immigrant life, suddenly we don’t belong anywhere, we mix up all languages ​​feeling like we don’t speak any of them, we miss several things and every day is a challenge, but in the end, here we are and I wouldn’t change a thing.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: